Sustentabilidade hoje – para um futuro melhor amanhã

Por Mario Monzoni, coordenador-geral do GVces

“Crise” é a palavra do momento. Olhamos para o noticiário, dentro e fora do Brasil, e encontramo-nos cercados por essa palavra. “Crise política”, “crise econômica”, “crise hídrica”, “crise climática”… O repertório de crises modernas é vasto e nada amistoso.

Num primeiro momento, é natural sentirmos certa reticência sobre tal panorama. Em situações assim, é normal sermos um tanto conservadores em nosso ímpeto. Mas a crise em si não se dissipa apenas com belas palavras ou pela força da vontade: ela precisa ser enfrentada com ações, com planejamento, com objetivo.

Em nosso caso presente, o agir em si não é suficiente para superarmos as diferentes crises que nos afligem – precisamos agir de uma nova maneira. Neste mundo de problemas complexos e prementes, que ameaçam a sobrevivência das sociedades modernas, não podemos responder a eles com soluções simples e rápidas: precisamos de soluções mais amplas, que considerem a teia de relações entre os atores envolvidos e que exijam mudanças profundas no seu comportamento e na sua lógica e estilo de vida. Não serão inovações incrementais que vão nos tirar da crise: precisamos de caminhos e soluções disruptivas.

Um exemplo da complexidade das crises que vivemos é os efeitos da crise econômica pela qual o Brasil atravessa desde o ano passado sobre os esforços do país para enfrentar a crise da mudança do clima. Para muitos atores, o cenário econômico turbulento levanta a dúvida sobre a pertinência de realizar investimentos voltados ao baixo carbono. Vale a pena apostar na transição para atividades com menor impacto de emissão de gases de efeito estufa, olhando para o longo prazo, no momento em que as atenções estão direcionadas para lidar com problemas econômicos emergenciais?

Essa dúvida simplifica um desafio urgente da humanidade. Em um mundo cada vez mais assolado pelos efeitos da mudança do clima, retardar a transição de nossa economia para o baixo carbono pode resultar em um custo bastante alto no futuro.

Um olhar mais atento para esse desafio contraria essa simplificação. Aliás, muitas empresas já compreenderam que a transição para o baixo carbono pode ser uma estratégia alinhada ao seu desenvolvimento, como uma forma de reduzir despesas, modernizar processos, e aperfeiçoar produtos e serviços. Aos poucos, as empresas deixam de enxergar o desafio climático apenas pelo espectro do risco, mas também como uma janela de oportunidade para retomar a atividade econômica e contribuir para a recuperação da economia brasileira a partir do baixo carbono.

Com a definição do Acordo de Paris, com compromissos de redução de emissões para todos os países, e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, com metas e indicadores para mensurar e avaliar o esforço de governos e empresas nesta tarefa, as referências para a mudança já estão na mesa dos atores. Agora, resta a eles entender que, se mantivermos o business as usual na economia, eles podem estar sacrificando não apenas o bem-estar das próximas gerações, mas também o seu futuro imediato.

O GVces acredita que a sustentabilidade pode nos ajudar a superar os problemas que afligem a economia moderna, como mudança do clima, escassez de recursos naturais, exploração de mão-de-obra, desigualdade social, subemprego, etc. Tudo isso precisa ser entendido como sintomas de um modelo econômico que não dá mais conta da complexidade dos desafios atuais, que precisa ser reformulado estruturalmente, com novos caminhos para gerar valor sem impactos agressivos ao meio ambiente e à sociedade. Por isso, o nosso trabalho, nos mais diferentes projetos e iniciativas, tem como objetivo facilitar a construção de uma nova economia, mais sustentável e inclusiva.

As Iniciativas Empresariais, os projetos em parceria, os diversos estudos e relatórios publicados, os eventos, a Página22, as turmas do FIS… Em 2015, o trabalho do GVces olhou para os desafios da sustentabilidade nesse cenário de crise sistêmica, buscando construir coletivamente novos caminhos para superar obstáculos e para viabilizar um desenvolvimento socioeconômico sustentável para os brasileiros.  Para nós, parafraseando o físico Albert Einstein, a saída para as diferentes crises que vivemos não está na repetição das mesmas opções e das mesmas práticas que nos trouxeram a ela, mas sim em novas opções e novas práticas.

Este relatório digital traz um panorama do trabalho desenvolvido pelo GVces e suas contribuições a partir dos diferentes temas que nortearam nossos projetos e iniciativas – água, investimentos e finanças verdes, territórios e grandes empreendimentos, políticas públicas para o baixo carbono, atuação empresarial contra mudança do clima, empreendedorismo e cadeias de valor, agricultura familiar e cadeias de abastecimento, e formação e comunicação para sustentabilidade.

Esperamos que esta leitura informe e inspire outros atores para a construção coletiva de novos caminhos mais sustentáveis.

Boa leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *